Domingo, 20 de setembro de 2020.


Saiba quando a ansiedade pode virar doença e como tratar

#SetembroAmarelo: Reproduzo a seguir as palavras de Rodrigo Fonseca, presidente da Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional e Helena Campos, psicóloga e especialista emocional:

A ansiedade é uma emoção natural do ser humano que existe desde a época das cavernas se configurando, basicamente, como o medo natural de que algo dê errado, no futuro; ou o medo de viver novamente um evento desagradável que aconteceu no passado. Portanto, não é uma doença do mundo moderno.

O grande problema é quando ela começa a te paralisar e gerar sintomas que, ao invés de contribuir para que você se prepare para o momento futuro – seja uma prova, um encontro, uma reunião ou algum momento importante da sua vida – acaba te fazendo travar, dá branco, perde o controle, sua frio, inventa desculpa, se coloca no meio de acidentes e tantos comportamentos criados de forma inconsciente por conta do excesso de ansiedade.

As pessoas, então, se cobram demais, deixam de viver o presente e ficam pensando no que vai acontecer.

O medo é uma emoção que você enfrenta ou foge

São posições que você escolhe. Só que, infelizmente, não aprendemos isso. Aprendemos ou a travar ou fugir e, isto acontece com todos os seres humanos por causa do nosso sistema emocional que age mais rápido que o racional.

A diferença está na escolha: existem aqueles que têm coragem de agir e outros que não. Mas, este, é um processo interno que cabe a cada um gerenciar. E aí, quando a pessoa decide enfrentar o medo, ela consegue fazer aquilo que se propôs.

Quem chora não é o emocional, é o físico porque tudo deságua no corpo. Aí vem a cobrança excessiva. É preciso saber errar e se perdoar.

Quando a ansiedade vira doença

Na América Latina, o Brasil é campeão de pessoas ansiosas e, infelizmente, o único tratamento que, a maioria, busca são os remédios. Não que você não possa tomar. Pode, sim. Só que eles só tratam a consequência e os sintomas, não a causa.

E a causa de toda a doença emocional ou psicológica está nas emoções e, a solução, também. Estão na nossa história de vida, no que vivemos lá atrás com algum familiar ou alguém próximo e, também, com o que não tivemos nessa história de vida.

Agora, se você está sendo acompanhado por um médico, continue. Mas, também procure a solução real porque o remédio vai regular os efeitos sintomáticos, aliviar a tensão, curar os efeitos que deságuam no corpo. E, nesse meio tempo, você pode procurar um terapeuta ou um psicólogo para te ajudar a identificar as causas emocionais dessa ansiedade.

E quando você está com crise de ansiedade, não consegue pensar, buscar ajuda, daí a importância do remédio para te acalmar, para que você possa parar, pensar, olhar para o que está acontecendo e buscar ajuda.

E, na medida em que você vai tratando as emoções, daqui a pouco nem precisa mais tomar remédio. Mas, também, não pare de tomar por conta própria. Você precisa de um acompanhamento do seu médico para que ele te oriente a reduzir as doses, gradativamente. Pois este tipo de medicamento causa dependência e, se parar de uma vez, pode prejudicar ao invés de ajudar.

Como lidar com uma pessoa durante uma crise de ansiedade

A pessoa que sofre de ansiedade apresenta os seguintes sintomas: irritação, insônia, tremedeira, coração disparado, enxaqueca, pressão alta, pensamento acelerado, entre outros. A quantidade excessiva de informações acelera o pensamento e vai fazendo com que ela não viva o presente e se preocupe mais com o futuro.

Numa crise de ansiedade, transmita segurança, segure nas mãos da pessoa que está ansiosa para que ela sinta essa segurança, fisicamente. Diga: "Olhe nos meus olhos e respire lenta e profundamente" (porque a respiração, tanto descontrola, quanto controla o emocional). Isto vale, tanto com o outro, como com você. Essa medida é como se fosse um merthiolate, uma ação de primeiros socorros.

A respiração é o fator principal para acalmar a ansiedade. Estudos detalham como se processa a respiração durante o nosso estado emocional, dependendo da intensidade da emoção. Quando estamos ansiosos a tendência é a nossa respiração ficar ofegante. E quanto mais hiperventila, mais ansioso você fica.

Então, uma dica é passar essa segurança para a pessoa dizendo que você está com ela, que está tudo bem e abraçá-la. Preste um acolhimento no momento de crise. Ou se é você mesmo quem está passando por isso, procure quem você ama e peça para te abraçar, busque esse acolhimento em quem você ama. E se essa pessoa não estiver perto de você, não tenha vergonha, existe um monte de pessoas à sua volta. Busque ajuda em quem estiver por perto.

A vergonha de falar, buscar ajuda é o que se desdobra, muitas vezes, numa depressão. E, tanto a depressão, quanto a ansiedade são doenças invisíveis, ferimentos internos.

A solução para a crise de ansiedade está na nossa história de vida

É como se tivesse uma criança dentro de nós sentindo um medo muito grande; se achando incapaz; que não irá conseguir; que tudo dá errado com ela e, assim por diante. Então, não tem solução só respirando fundo, só abraçando alguém.

Tente identificar onde você está se cobrando de forma excessiva. De repente em algum momento da sua vida te cobraram que você fosse o melhor, acima da média em alguma coisa e acabou reproduzindo isso em outros momentos.

A ansiedade vem a ser, também, a somatização de emoções. Quando nós “engolimos” muitas emoções, elas vão se transformar em alguma doença mais cedo ou mais tarde. É aí que entra a ajuda de um profissional para que você possa reprogramar emocionalmente a sua história de vida e interromper o padrão hereditário.

Quem sofre só vê um caminho, mas quando você compartilha com alguém o que está acontecendo essa pessoa vai te trazer outras possibilidades, outras formas de resolver aquele problema.

E aí você consegue perceber que não está só e que não é só você quem está passando por isso e, que existem outras pessoas passando pelo mesmo problema ou até pior.

Mas, está tudo bem, isso é ser humano. Você não é uma máquina. Aliás, até as máquinas dão pane e precisam de manutenção. E nós precisamos cuidar das nossas emoções, sendo necessário entender a origem do problema, para tratar na raiz.

Você também pode fazer exercícios de respiração e relaxamento, trazendo isso para todas as partes do seu corpo.

Questione porque você está se cobrando. Todas as respostas estão na sua história de vida.

Categoria artigos, articulista

Maiara Pires

Jornalista, escritora, coautora do livro "Como a PNL mudou minha vida" e autora do blog asabedoriadoalto.blogspot.com




Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA DO ARTICULISTA