Terça-Feira, 17 de julho de 2018.

Amor sem limites 

O amor é o sentimento mais lindo... Jesus é só amor! Se nos entregarmos a Ele, nossa vida será totalmente transformada.
A vida de Jesus sobre a face da Terra foi breve, entretanto, em 33 anos o nazareno revolucionou o mundo. E aqueles que se propõe a estuda-lo e entende-lo, verão que sua história é muito mais maravilhosa e cheia de encantos do que podemos imaginar. Muitos milagres... Entrega total! Doação pura e irrestrita!
Jesus se entregou a humanidade para salva-la! E o fez de forma incondicional, sabendo de antemão que não somos merecedores de absolutamente nada... Isso porque nosso livre arbítrio nos subjuga e nos faz cair em pecado... Somos falhos, porém Deus nos fez assim... Ele compreende nossas lutas... Mas não dispensa o esforço que precisamos fazer para permanecermos puros. Há que sermos fortes, porque nossa carne é fraca!
É por isso que nossa salvação depende exclusivamente de nosso querer. Aqueles que não creem, já estão irremediavelmente condenados... Aqueles que não creem, aproveitam como podem todos os prazeres do mundo... Não há limites para satisfazer suas carnalidades... Mas eles vivem em conflitos... A sua alegria não tem consistência! É fugaz!
Já o amor de Deus não tem limites... Nada, sequer se aproxima do amor de Deus! Viver em sua presença é viver em êxtase, e em perfeito equilíbrio com tudo!
Vivamos, pois, uma vida que dignifique o amor de Deus por cada um de nós!
No amor de Deus, há PAZ! Na ausência de Deus, há DOR!
Não se acostume com a dor. Não sofra. Não se acostume com situações difíceis que você pode mudar. 
Seja longânimo porque aqueles que o cercam podem tirar-lhe a paz... Tenha sempre muita paciência porque a paciência, sempre é necessária. Paciência pode ser amargo para digerir, mas o resultado é sempre muito doce! 
João Antonio Pagliosa

Categoria artigos, articulista

João Antonio Pabliosa

Engenheiro Agrônomo pela UFRRJ em 1972. 

Curitiba. Fone: (41)3333-3775 cel. 9635 4220

E-mail: joaoantoniopagliosa@gmail.com




Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA DO ARTICULISTA