Quinta-Feira, 05 de dezembro de 2019.

Os miseráveis

"Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens" (1 Coríntios 15.19)

Há muitos que esperam de Deus, ansiosamente, por curas; milagres; bênçãos; que o marido ou a esposa volte pra casa; que portas se abram, entre outras expectativas. Mas, ah se entendessem o significado de buscar em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça... Veriam que todas estas coisas lhes seriam acrescentadas.

Veriam pelos olhos da fé o que o apóstolo Paulo tentou descrever aos Coríntios:

"Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para os que o amam. Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus" (1 Coríntios 2.9-10).

Veriam pelos olhos da fé o que o apóstolo Pedro tentou descrever na sua primeira epístola:

"Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável e que se não pode murchar, guardada nos céus para vós que, mediante a fé, estais guardados na virtude de Deus, para a salvação já prestes para se revelar no último tempo, em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações, para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória na revelação de Jesus Cristo; ao qual, não o havendo visto, amais; no qual, não o vendo agora, mas crendo, vos alegrais com gozo inefável e glorioso, alcançando o fim da vossa fé, a salvação da alma" (1 Pedro 1.3-9).

Pela fé, entenderiam a dimensão com que confessou o apóstolo Paulo aos Filipenses:

"Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho. Mas, se o viver na carne me der fruto da minha obra, não sei, então, o que deva escolher. Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor. Mas julgo mais necessário, por amor de vós, ficar na carne. E, tendo esta confiança, sei que ficarei e permanecerei com todos vós para proveito vosso e gozo da fé" (Filipenses 1.21-25).

Seriam gratos muito mais pelo que Deus fez por nós na cruz - porque chegariam próximo da dimensão do que é ser comprado por bom preço, não sendo ouro nem prata, mas o próprio sangue do nosso Senhor Jesus - do que pelas dádivas de suas mãos. Ou seja, uma cura, um milagre ou uma porta aberta, não teriam o mesmo gozo e contentamento do que quando estivesse na presença do Pai e ser achado dele, e nutrir a esperança de vê-lo face a face.

Sabendo do amor que o havia envolvido a ponto de deixar tudo para trás e sair pelo mundo compartilhando esse amor, o apóstolo Paulo declarou que somos os mais miseráveis de todos os homens, se esperamos em Cristo só nesta vida. Pois, o que Deus tem preparado para nós vai muito além do que curas, bênçãos e milagres aqui nesse mundo. Aliás, tudo isso é acrescentado, na medida em que descobrimos o evangelho de fé em fé. Que é quando vamos experimentando esse mesmo amor que excede todo entendimento.

E ao experimentarmos esse amor, o desejo do nosso coração será tão somente se agradar do Pai fazendo aquilo que lhe apraz: “Deleita-te também no Senhor, e te concederá os desejos do teu coração” (Salmos 37.4). Que até mesmo se nos encontrarmos doentes, o pedido de cura será para viver por Deus e para Deus: “Para que, no tempo que vos resta na carne, não vivais mais segundo as concupiscências dos homens, mas segundo a vontade de Deus” (1 Pedro 4.2). Sabendo que a nossa vida está escondida Nele e, que, ela só será manifestada quando Cristo se manifestar em glória (Colossenses 3.3-4).

Até porque, seremos convencidos de que o nosso coração é enganoso (Jeremias 17.9) e, por isso, preferiremos experimentar qual a seja a boa, perfeita e agradável vontade de Deus (Romanos 12.2).

Categoria artigos, articulista

Maiara Pires

Jornalista




Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA DO ARTICULISTA