Macapá é destaque no 10º Encontro dos Conselhos Municipais de Educação do Amapá


Rede de ensino da capital foi a primeira do Estado a reabrir as escolas aos estudantes. Agora, com a ampliação do debate sobre aulas híbridas, as demais redes de ensino observam o caminho percorrido por Macapá.


A ousadia adotada este ano pela Prefeitura de Macapá com relação à Educação foi destaque no 10º Encontro Estadual dos Conselhos Municipais de Educação do Amapá, que ocorreu na manhã desta quarta-feira (15), na sala de reuniões do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) e discutiu o processo de transição das aulas remotas para as híbridas em todas as redes de ensino presentes no Estado, algo defendido desde o primeiro semestre pela administração do prefeito Dr. Furlan.

O evento foi realizado pela União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação (Uncme) no Amapá.

Estiveram presentes no encontro, membros dos conselhos municipais e estadual de Educação, das secretarias municipais e estadual de Educação, além de representantes da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). O evento contou ainda com gestores da Secretaria Municipal de Educação (Semed) de Macapá, o subsecretário de Gestão Educacional, Ebrely Andrade, e a coordenadora de Gestão Educacional, Simone Freitas.

A oportunidade serviu para que os participantes pudessem avaliar as ações realizadas por cada secretaria e trocar experiências sobre os desafios do processo de ensino-aprendizagem no contexto da pandemia da Covid-19. O mesmo debate está ocorrendo em todos os demais estados brasileiros e também a nível mundial, devido à abrangência dos agravos provocados pelo novo coronavírus em todos os sistemas de ensino.

A rede municipal de ensino da capital foi a primeira do estado a reabrir as escolas aos estudantes. A Prefeitura de Macapá acompanhou as orientações de entidades ligadas à defesa das crianças na primeira infância, como a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS).

“Nosso maior obstáculo foi com relação às estruturas dos prédios escolares. Encontramos a rede física das escolas com diversas deficiências e tivemos que correr contra o tempo para tomar decisões administrativas eficientes para resolvê-las. A partir daí pudemos voltar a receber os estudantes nas salas de aula, levando em consideração os protocolos de biossegurança e a realidade de cada escola”, ressaltou o subsecretário da Semed, Ebrely Andrade.

  • Subsecretário da Semed, Ebrely Andrade

  • Coordenadora de Gestão Educacional, Simone Freitas.

Linha do Tempo
O ano letivo de 2021 da rede municipal de Educação de Macapá teve início no dia 19 de abril, com aulas remotas para todos os estudantes, através da internet ou com a entrega de materiais didáticos impressos.

“Neste período realizamos a busca ativa dos alunos e a entrega de materiais didáticos que utilizam metodologias ativas de aprendizagem. Nosso sistema gestor também foi utilizado para o envio e recebimento de atividades. Também foi neste momento que houve a primeira chamada dos habilitados no concurso da Educação”, detalhou a coordenadora Simone Freitas.

No dia 26 de abril, a Prefeitura de Macapá, através do decreto municipal 2.992 de 2021 instituiu o retorno gradativo das aulas presenciais para os estudantes das turmas do 5º ano, adotando um modelo de ensino seguro, híbrido e em rodízio dentro da rede municipal.

“Foi aí que demos início às capacitações dos gestores e demais profissionais da Educação sobre os protocolos de biossegurança e o plano de retomada das aulas presenciais. Também promovemos a criação de comitês de monitoramento em cada escola e a Prefeitura realizou mutirões de vacinação, o que permitiu que o calendário do Ministério da Saúde avançasse e chegasse logo a vez dos professores serem vacinados contra a Covid-19”, explicou a coordenadora.

A Semed também realizou entrega de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) nas unidades escolares e reforçou o apoio contábil aos caixas escolares que estavam inadimplentes e inaptos a receberem recursos para manutenção e adaptação dos prédios.

Entre maio e julho aconteceu mais um avanço na reabertura das escolas aos estudantes, que foi dividida em várias etapas, que compreenderam o formato híbrido e presencial, rodízio e quantitativo de alunos reduzidos em 50%, além de distribuir as aulas presenciais de acordo com os níveis educacionais.

Nesse período foi realizada a segunda chamada dos habilitados no concurso da Educação. A terceira chamada veio em seguida.

No início de agosto as mudanças passaram a valer e se mantém até o momento, sem nenhuma ocorrência grave de Covid-19 dentro do ambiente escolar. Em setembro, todos os servidores municipais estarão completamente imunizados contra a Covid-19, com as duas doses da vacina.

Os prédios das escolas municipais são sanitizados semanalmente por equipes do Exército Brasileiro (EB) e também por uma empresa contratada para realizar serviços de sanitização com ozônio.

As ações pedagógicas e administrativas tomadas pela Gestão municipal neste ano foram sincronizadas para que o processo de retomada das atividades escolares presenciais fosse feito de maneira responsável e com a adesão dos servidores e estudantes.

“Agora, com o Cartão Merenda, nós percebemos que 90% dos estudantes que não estavam autorizados ao ensino presencial foram autorizados pelos seus responsáveis. Além de garantir a segurança alimentar dos alunos da rede, o programa serviu para o combate da evasão escolar, uma vez que o estudante também tem acesso à merenda dentro da escola”, completou o subsecretário Ebrely Andrade.

 

Por Lázaro Gaya

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO