Paratletas amapaenses se preparam para disputar campeonato brasileiro

Compartilhe:





As paratletas amapaenses Leylianne dos Santos, Thália de Souza e Márcia Oliveira se preparam para participar do Campeonato Brasileiro de Atletismo e Campeonato Brasileiro de Parataekwondo, que vão acontecer no Centro Paralímpico Brasileiro, em São Paulo, nos dias 6 e 26 de setembro, respectivamente.

As três jovens conquistaram quatro medalhas para o Brasil, nos Jogos Parapan-Americanos, que aconteceram de 23 de agosto a 1 de setembro, em Lima, no Peru. Elas foram convocadas pela Seleção Brasileira Paralímpica de Atletismo para as disputas.

Confiantes em novas vitórias, as meninas contam com incentivo do programa Bolsa Esporte, coordenado pela Secretaria de Estado, Desporto e Lazer (Sedel), que beneficia atletas e paratletas de alto rendimento que praticam modalidades olímpicas e paraolímpicas, com um recurso na ordem de um salário mínimo, para o custeio de despesas para o desenvolvimento e preparação dos atletas.

Em sua primeira competição internacional, Thália, 22, que tem uma deficiência no crescimento, conhecida por nanismo, garantiu duas medalhas, sendo uma de prata, no lançamento de disco, categoria F4, e outra de bronze, no arremesso de peso.

“Minha principal meta é alcançar os índices, elevar as marcas e ficar entre os melhores”, diz a atleta.

A carateca Leylianne, 22, que traz uma deficiência congênita - ela nasceu sem uma das mãos -, treina taekwondo há oito meses, e já está entre as 12 melhores do mundo, na modalidade parataekwondo, categoria k44. Pela Seleção Brasileira, a jovem participou de duas competições internacionais, a primeira foi o Campeonato Parapanamericano Open de Taekwondo, disputado em Portland, nos Estados Unidos.

Leylianne atribui as vitórias no esporte ao incentivo que tem recebido, tanto da família quanto financeiramente, com garantia de passagens para as competições, alimentação e compra de materiais esportivos.

“Cada dia é uma batalha, mas, vale a pena cada gota de suor. E a Bolsa Esporte é o que ajuda a custear os sonhos dos atletas amapaenses, é um importante incentivo financeiro. Sem ele, não teríamos chegado a esses patamares”, considera.

Aos 23 anos, Márcia Oliveira, que é deficiente visual, está entre as mais experientes no paratletismo amapaense, com várias medalhas em competições nacionais nas modalidades de arremesso de peso e lançamento de dardo e disco. No Parapan, ela conseguiu a prata com o lançamento de dardo.

Márcia conta que pretende chegar ainda mais longe e ganhar a tão disputada medalha de ouro. Assim como Thália, com excelente desempenho, a jovem paratleta é mantida pelo Bolsa Esporte há dois anos.

“Através de minhas mãos, eu consigo enxergar o caminho de sucesso que estou trilhando naquilo que eu nasci para realizar. Sou grata pela oportunidade e meu foco é quebrar meus recordes”, assegura. 

Programa Bolsa Esporte

O programa Bolsa Esporte, do Governo do Amapá, é coordenado pela Sedel. Para ter acesso ao benefício, os interessados devem ficar atentos ao lançamento do edital, que é feito anualmente.

O coordenador do programa, Bruno Igreja, informou que o próximo edital deve ser lançado ainda este ano, contemplando os atletas que participaram no processo seletivo do ano passado, e ainda serão abertas novas vagas para o ano que vem.

Atualmente, 80 atletas estão sendo atendidos, sendo 64 na modalidade olímpica e 16 na modalidade paraolímpica, entre individual, nas modalidades ciclismo, judô, luta olímpica, natação, taekwondo, tênis de mesa, atletismo, badminton e boxe, e coletivo, nas modalidades basquete, vôlei, handebol e futebol.

O Bolsa Esporte tem validade, a partir de sua publicação, de 12 meses, e é renovado de acordo com os resultados expressivos.

“Os atletas devem estar em plena atividade e manter resultados iguais ou superiores ao longo das competições para terem seu benefício renovado a cada 12 meses”, pontuou Igreja.

 

Por: Nathacha Dantas /  Foto: Albenir Souza/Secom

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO