Políticas de saúde direcionadas ao trabalhador com deficiência são discutidas em seminário realizado pelo SENAI Amapá






Com o objetivo de orientar empresas do estado, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) do Amapá realizou nesta segunda-feira, 26, seminário que debateu políticas de saúde voltadas ao trabalhador com deficiência. Na ocasião, foram abordadas oportunidades de valorização de funcionário, cases de sucesso, além de ações do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST) e do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

O evento foi direcionado a gestores, equipes de Recursos Humanos e de Saúde e Segurança do Trabalho de empresas que possuem em seu quadro funcional, pessoas com algum tipo de deficiência (visual, auditiva, física ou intelectual). O coordenador de Tecnologia e Inovação do SENAI Amapá, José Reinaldo Nascimento, explica que o evento foi pensado no sentido de auxiliar as empresas que precisam cumprir o art. 93 da Lei nº 8213/91.

“De acordo com o dispositivo legal, a empresa com cem ou mais empregados está obrigada a preencher de 2% a 5% dos seus cargos com beneficiários reabilitados ou pessoas portadoras de deficiência, habilitadas. Neste sentido, o SENAI oferece consultoria que orienta as empresas no processo de inclusão destas pessoas, promovendo não apenas o cumprimento da legislação, mas também a construção de uma cultura de valorização na comunidade empresarial”, completou José Reinaldo Nascimento.

Para o analista de Recursos Humanos da empresa Amapá Florestal e Celulose S.A (Amcel), Edmilson Nogueira, o seminário foi oportuno. “Este tipo de debate é muito importante porque demonstra a necessidade de mudança de comportamento no ambiente das empresas. O colaborador não pode ser visto apenas como alguém que pertence a uma cota em que as empresas se veem obrigadas a cumprir em virtude da legislação. Ele precisa ser valorizado, sem discriminações”, ressaltou.

Programação

No seminário foram apresentadas as seguintes palestras: Política de saúde do trabalhador no âmbito do SUS, pela assistente social do CEREST, Maria Luiza Araújo; Inclusão do trabalhador PcD na Indústria, conduzida pela psicóloga do Serviço Social da Indústria (SESI) do Amapá, Rayellen Lima; A inserção do trabalhador PcD no mercado de trabalho, pela médica Maria Helena Araújo, do CEREST; e Ações do INSS, ministrada pela assistente social, Denize Flores.

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO