Jogos Abertos: inclusão social e esporte são apresentados nas finais das modalidades de basquete de trinca e paraolímpicas






A Prefeitura de Macapá encerrou as modalidades de basquete de trinca nas categorias masculina, feminina e cadeirantes, goalball e bocha, no sábado, 17. As partidas foram apresentadas nos Jogos Abertos, promovidos pela Coordenadoria Municipal de Esporte e Lazer (Comel). A categoria masculina do basquete de trinca foi disputada entre 10 times: Novo Basquete Jardim, Master Club, Novo Basquete Conscita, Abap I, II e III, Nuggets, Trinca, Conscita Boys e Equipe Fátima.  Destes, os times Abap I e II, Trinca, Nuggets, Conscita Boys e Equipe Fátima conseguiram se classificar para as finais.

Abap II e Equipe Fátima foram para a final e o jogo foi difícil. A Equipe de Fátima estava sem reservas e os três jogadores tiveram que se virar em uma tarde de jogos exaustivos e complicados. No final, o esforço valeu a pena, pois a equipe levou o primeiro lugar com vantagem, foi 14x10 para o time e a vitória teve muita importância para a estudante de educação física Jad Santos, que não deixou nada abalá-la na quadra.

“Sou homossexual e já jogo há algum tempo. O basquete é uma terapia que eu amo. Convidei dois amigos, que me respeitam muito, para vir jogar aqui comigo, porque o preconceito ainda existe e muita gente nos subestimou, então eu vim aqui, mostrei e ganhei”, declarou a jovem que cursa Educação Física e já participou de outros eventos esportivos.

Na categoria feminina, a bola rolou com tensão na quadra. As equipes da Unifap, Vitale, 40+Master, Rockets e Abap I e II se enfrentaram com muita garra. A final ficou entre a equipe Rockets e Vitale, que tirou o fôlego da plateia com um empate de 7x7. No final, as equipes voltaram para campo e a primeira que marcasse dois pontos ficaria com a vitória e a equipe Vitale foi lá e fez, vencendo por 9x7. Em terceiro lugar, ficou a equipe 40+Master.

A categoria de basquete de trinca adaptado para cadeirantes aconteceu no sábado e foi emocionante para quem presenciou as partidas. Foram quatro equipes disputando na manhã do sábado: Gaviões do Norte, Águias da ADFAP, Leopardos e Roda Velozes. Apesar das disputas acirradas, a final ficou entre Águias e Rodas Velozes, sendo o placar de cinco a zero para as Águas da Associação de Deficientes do Amapá, que levaram o troféu de campeões para casa, deixando os Rodas Velozes em segundo e Gaviões do Norte em terceiro lugar.

O capitão do time vencedor, Rogério Santos, agradeceu o trabalho da prefeitura e da mobilização e dedicação da Comel na organização do evento. “Agradeço pela parceria, porque esse é o primeiro passo para a integração social no esporte. Valeu a pena competir hoje e que venham mais jogos por aí”, declarou o vencedor.

Outras modalidades paraolímpicas também tiveram destaques durante o evento, sendo elas o goalball e a bocha. As equipes do Santos, Hawaí e Acaap disputaram três partidas acirradas, das quais a última foi traçada entre Hawaí e Acaap. Os times se enfrentaram no silêncio da quadra, onde apenas o som das chuteiras no chão e bola na rede tinham permissão para ecoar. A equipe do Hawaí venceu com diferença de um ponto apenas do time da Acaap, foi de sete a seis, mas a vitória tensa foi ainda melhor, segundo os jogadores do time.

“É emocionante participar do goalball, fico imaginando uma partida oficial e toda a adrenalina que acontece, gostei muito. Treinamos, mas agora, com essa vitória, a meta é treinar muito mais para poder ganhar outros jogos que estão por vir. Foi a primeira competição do ano e eu agradeço à prefeitura por nos dar a oportunidade de também participar dos Jogos Abertos”, destacou o jogador do time vencedor, William Duarte, 23 anos.

A competição de bocha, normalmente realizada com pessoas com alguma deficiência motora, sofreu adaptação para integrar também deficientes visuais e expandir as possibilidades do esporte, se tornando a primeira partida a fazer a inclusão em evento esportivo. A experiência foi partilhada com Alice Carolina e Simone, ambas deficientes visuais que tiveram auxílio de suas acompanhantes para jogar. A modalidade foi desenvolvida com a emissão sonora por meio de palmas, assovios e comandos de voz, sinalizando os locais aonde deveriam ser arremessadas as bolas.

Além da nova categoria, a bocha também foi jogada entre Natália e Caíque, que não possuem deficiência visual, mas sim motora em níveis diferentes. Natália precisou da ajuda de uma rampa móvel para lançar as bolas, mas ela e Caíque não perderam o pé de igualdade em momento algum.

A Prefeitura de Macapá assinou, em 2015, um convênio com o Ministério do Esporte, no valor de R$ 562.300,00, disponibilizados, por meio de emenda da ex-deputada Fátima Pelaes, para a realização dos Jogos Abertos. Esta é a segunda edição da competição e a ideia é que jogos paraolímpicos se tornem ainda mais presentes nas próximas edições e também em outros eventos organizados pelo Município.

Todos os grupos vencedores receberam como prêmio troféus, medalhas, além de equipamentos esportivos, que servirão de auxílio no treino futuro das equipes.

 

Por Rafaela Bittencourt

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO