Na Comarca de Macapá, Tribunal do Júri antecipa Meta 8 do CNJ e prioriza julgamentos de casos de feminicídio

Compartilhe:





A 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Macapá, que tem como titular o juiz Luiz Nazareno Borges Hausseler, antecipou a conquista da Meta 8 estabelecida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para o Judiciário em todo o Brasil. A Meta consiste em identificar e julgar, até o final deste ano, 50% dos casos de feminicídio, pendentes de julgamento, distribuídos no ano passado. Com um total de nove casos - sendo cinco tentados e quatro consumados, mais da metade já foram julgados ou pronunciados, e todos os demais atos do juiz estão em dia com os prazos legais.

De acordo com o juiz Hausseler, a produtividade alta resulta de um forte compromisso e dedicação, tanto dos servidores da Secretaria da Vara, quanto dos assessores jurídicos. “Temos uma equipe em grande sintonia, mas não foi um esforço pontual e sim um resultado de nossa rotina que já tem como característica essa alta produtividade e celeridade, com qualidade”, garantiu o magistrado.

Sobre a sintonia com a equipe, o juiz Hausseler atribui tal característica ao diálogo aberto com todos. “Nos tratamos com muito carinho, com muito amor e eu defendo que é possível ser uma autoridade sem ser autoritário”, complementou.

Às vésperas do Mês Nacional do Júri, que correrá em novembro, o juiz Hausseler antecipa que uma intensa agenda está sendo preparada pela equipe. “Ano passado foram 30 júris, com apenas dois redesignados, mas esperamos fazer 36 no próximo mês, de preferência sem redesignações”, previu o magistrado.

“Este será meu último Mês Nacional do Júri, pois me aposento em agosto de 2020, então espero que corra tudo como esperado”, registrou, acrescentando que pretende voltar a advogar após a aposentadoria, e também almeja cursar uma quarta graduação – o juiz Hausseler é graduado em Direito, Administração e Teologia.

 

Bernadeth Farias / TJAP

 

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO