Prevenção e combate: Amapá diminui 30,6% dos casos de malária em 2019

Compartilhe:





Casos de malária no Amapá teve redução de 30,6% em 2019, comparado com o ano anterior, segundo a Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS). Esse índice representa 4.172 casos a menos. É o melhor resultado nos últimos 5 anos.

Veja abaixo a tabela:

 

As ações de controle do vetor da malária (mosquito Anopheles) são desenvolvidas pelo Governo do Estado com apoio das prefeituras municipais. Em 2019, foram ofertadas capacitações no combate, controle, diagnóstico e tratamento da doença.

Além desse trabalho, a SVS entregou à população equipamentos, como mosquiteiros impregnados e insumos para borrifação intradomiciliar. Outro reforço preventivo foi a contratação dos agentes de endemias.

 

VEJA TAMBÉM: Governo e municípios desenvolvem estratégia para redução e controle da malária no Amapá

Segundo o superintendente da SVS, Dorinaldo Malafaia, o combate à malária foi intensificado devido à gravidade da doença em alguns municípios. Ele destaca que o foco do trabalho foi na transmissão para reduzir ainda mais os casos.

“O Governo do Estado teve efetividade no combate e ótimos resultados nas ações. A redução de 30,6% de casos significa que milhares de pessoas deixaram de pegar essa doença no Amapá”, reforçou.

Saúde Indígena

 

VEJA TAMBEM: Combate à malária é intensificado em distritos indígenas do Amapá

Naturalmente, a área indígena tem alto índice de malária, devido à localidade das tribos em meio à mata e o próprio estilo de vida dos índios, que facilitam a transmissão da doença entre eles.

Pensando nesse público, a SVS articulou parcerias com a Secretária Especial de Saúde Indígena (Sesai), Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) e Secretária de Estado da Saúde (Sesa), além de outros órgãos para ações específicas nessas localidades.

Cooperação internacional

 

VEJA TAMBÉM: No Suriname, Governo do Amapá busca estratégias de combate à malária na fronteira

As ações do Governo do Estado foram além do território brasileiro. A SVS tem ampliado o dialogado sobre formas de combate à malária e outras doenças que atingem a fronteira entre Oiapoque (Amapá) e Saint Georges (Guiana Francesa).

Em outubro, o superintendente Dorinaldo Malafaia representou o Brasil na reunião regional “Malária em populações migrantes móveis”, em Paramaribo, no Suriname.

Um dos encaminhamentos do encontro foi dado pela SVS sobre a criação do Centro Internacional de Vigilância em Saúde no Platô das Guianas unindo Brasil, Suriname, guianas Francesa e Inglesa no combate da malária e outras doenças nas fronteiras.

 

Por: Nathanael Zahlouth /  Foto: Divulgação SVS

 



Deixe seu Comentário

 

VOLTAR A PÁGINA PRINCIPAL VOLTAR A PÁGINA COTIDIANO